Política

Tentativa de Governo paralelo de Guto Silva é o motivo da queda iminente da Casa Civil

Esvaziado, Guto Silva desagradou aliados importantes do governador e pode deixar o governo
Guto Silva pode deixar governo do Paraná e voltar à ALEP

No quarto andar do Palácio Iguaçu, João Carlos Ortega, braço direito de Ratinho Júnior, já se prepara para assumir a chefia da Casa Civil do governo do Paraná.  O motivo é a queda iminente do atual chefe da Casa Civil, Guto Silva, que talvez, sem querer, fazia uma tentava  de um governo paralelo, independente. O governo do estado não confirma a saída de Guto Silva, mas nos corredores do Palácio Iguaçu, todos já sabem que ele já manda pouco no governo. 

Guto, menino de família abastada na capital paranaense, ex-aluno do Marista, cresceu  com danoninho e Mocilon. E desde a escola, tinha um problema. Ele era o dono da bola. E quando ia para casa, o jogo acabava. Ele não gostava de emprestar a bola. Dessa forma, como Chefe da Casa Civil, se esqueceu que havia um governador.  Um exemplo foi quando, no Porto de Paranaguá, fez anúncios importantes e sequer falou do governador. Um erro, que vai o devolver ao lugar que o povo escolheu. Ele voltará a ser um dos 54 deputados da Assembleia Legislativa do Paraná.

A iminente exoneração de Guto Silva é uma clara demonstração do governador Ratinho Júnior de como ele quer tratar com aqueles que pretendem, sistematicamente, formar um governo paralelo. 
Na semana passada, Ratinho mandou um duro recado aos adminustradires portuarios que pretendiam formar um grupo de coalizão para “emparedar” a diretoria do Porto, em especial o seu presudente Luiz Fernando Garcia, que conta com irrestrito apoio do governador.