Geral

Sofomaníaco: o “sábio” sem o saber

No dia a dia, seja no trabalho, no curso, na roda de conversa ou na convivência familiar, é comum nos depararmos com uma pessoa que “domina” todos os assuntos e que impõe uma verdade própria.

Mas afinal, o que é sofomania?

Na etimologia vem do grego (σοφός) sophos: saber/sabedoria + maníaco: que corresponde a mania excessiva de tentar parecer sábio sem ter conhecimento/domínio sobre o assunto. 

A era digital abriu diversas oportunidades de aprendizado. Cursos online, artigos, matérias, livros e pensamentos. 

Os assuntos que antes eram desconhecidos da população começaram a ser discutidos e apresentados, sabedoria e leviandade travam um duelo árduo nesse novo tempo.

A facilidade para “dominar” e a dificuldade para aprender coloca em choque o convívio; uma vez que o sofomaníaco acredita ter propriedade em determinado assunto, ele retém para si o desejo de dominância e a contrariedade revela seu lado sombrio!

Ter opinião própria é diferente de ter conhecimento!

Todo excesso esconde uma falta

Uma frase bem conhecida na psicologia dentro da abordagem psicanalítica que dá boa introdução para essa análise.

Um sofomaníaco, muitas das vezes, não tem sapiência sobre a condição que se encontra. As características mais óbvias são a possessividade, a agressividade ao ser contrariado, tentativa hiperbólica de controle externo, posse, compulsividade, competitividade e autoafirmação. 

Freud: Dize-me do que te gabas e te direi do que te falta.

Por trás da persona sophos e dentro da armadura da verdade absoluta se encontra um ser que busca, de modo compensatório, preencher um vazio existencial. 

A autoafirmação nesse caso, nada mais é, que o desejo de ser aceito, de ser compreendido e de ser reconhecido.

A somatização dessas manifestações inconscientes refletem no dia a dia do sofomaníaco causando irritabilidade, descontrole emocional, insatisfação de si mesmo, em alguns casos insônia; em casos mais sérios: hecticidade ou obesidade.

Geralmente a sofomania acompanha uma projeção externa, a busca do yourself é projetada em um ego ideal, alguma figura de equivalência que represente a busca interna de conhecimento, poder, proeminência. Quando não correspondido, vem a frustração.

Como conduzir:

O atrito não é a solução. Um diálogo sincero, uma pontuação sobre os danos que isso tem gerado como por exemplo: desequilíbrio emocional, descontrole constante, agressividade, dificuldade de convivência, isolamento de convivência real e o mais importante: direcionar o sofomaníaco para a psicoterapia onde a questão vai ser trabalhada de maneira correta, elaborada e integrada.