Brasil

Rede Burger King é citada em atos de crimes financeiros de EIKE BATISTA

As investigações do Ministério Público Federal que levaram Eike Batista de volta à prisão indicam que o empresário, por meio de conta fantasma no banco paralelo TAI, comprou ações da Burger King, então negociadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque.
(Foto: reprodução )

Em maio de 2010, segundo o MPF, Eike e sua turma compraram pouco mais de 4 milhões de dólares em ações da empresa de fast-food. Quatro meses depois, venderam as ações por 4,7 milhões de dólares, gerando um lucro de 702 mil dólares.

 


 

“O MPF apura a possível ocorrência do crime de uso de informação privilegiada, já que, no mesmo dia em que foram realizadas as operações de venda, foi anunciada a compra da empresa Burger King pelo 3G Capital, fundo brasileiro de private equity.

Em 13/09/2010 foi divulgado da imprensa que EIKE BATISTA havia entrado como parceiro do fundo na compra da empresa Burger King, sendo que, de acordo com a reportagem, as tratativas teriam começado 3 meses antes.”

Ou seja, quando adquiriu as ações em maio de 2010, possivelmente Eike já sabia que a empresa seria comprada pelo fundo brasileiro, do qual virou parceiro.

“Desta forma, sustenta o MPF que EIKE possuía informação relevante, ainda não divulgada, sigilosa e com potencial para gerar vantagem indevida, o que enquadraria a sua atuação no crime de uso de informação privilegiada.” Irforma O Antagonista