Política

Processo de Greenwald contra Oswaldo Eustáquio é patrocinado por advogados do PSOL

O processo movido por Gleen Greewald contra o jornalista Oswaldo Eustáquio é patrocionado pelos advogados Luiz Paulo de Barros Correia Viveiros de Castro e Glória Regina Felix Dutra, ambos advogados do PSOL, responsáveis por ações na campanha de David Miranda e Jean Wyllys a cadeira de deputado federal. 

Oswaldo Eustáquio foi o jornalista que gravou Leandro Demori e mais quatro jornalistas do Intercept Brasil admtindo que houve adulteração nos materiais roubados de Sérgio Moro e dos procuradores da Lava Jato que deram origem a uma série de reportagens pelo site The Intercept Brasil, capitaneado por Greenwald. Eustáquio também denunciou e apresentou com exclusividade filmes pornográficos produzidos por Gleen Greenwald no Brasil com jovens pobres das favelas do Rio de Janeiro com o selo da produtora do americano, a Hairy Studs Rio. Eustáquio anunciou também a prisão do hacker Thiago Eliezer dos Santos, um mês antes dela ser realizada pela Polícia Federal e trouxe a tona a interceptação feita pelo FBI entre Greenwald e o hacker Ola Bini, preso no Equador por crimes cibernéticos. 

O processo se tornou público após a jornalista Mônica Bérgamo da Folha de São Paulo trazer a informação no final da semana passada. Glenn postou em seu perfil do Twitter o processo com os dados pessoais do jornalista Oswaldo Eustáquio, como endereço residencial e CPF. A postagem rendeu críticas ao americano pelo seu próprio público, que achou que Glenn aplicou um golpe baixo.

Procurado pela reportagem, o jornalista Oswaldo Eustáquio, que está em Fortaleza-CE, fazendo uma reportagem, informou que já esperava golples baixos de Glenn, mas que está preparado para o enfrentar. "Os parceiros de reportagem de Greenwald já estão presos. Há cerca de dois meses mostrei provas de que o hacker Walter Delgatti Netto disse a uma amiga pelas redes sociais que participou diretamente das edições da Vaza Jato. As mensagens entre o americano e o outro hacker preso, Luiz Molição também indicam que uma organização criminosa foi montada para roubar os dados de Moro e da Lava Jato. Ora, o hacker falou com Munu (PCdoB). Imediatamente ela telefonou para José Eduardo Cardoso, adovogado dela e do PT. Decidiram falar com Glenn e David (PSOL) e três dias depois, Glenn vai a sede da Polícia Federal e conta o plano para Lula na prisão. Em entrevista do ex-presidente ao americano, Lula disse que precisavam investiar Dellagnol e Glenn respondeu imediatamente que já estava cuidando disso. A entreivista em vídeo está disponível no meu canal do Youtube. Sem dúvida, é uma organização criminosa. Depois das minhas primeiras matérias, cinco já foram presos, vamos aguardar os mandantes e aqueles que pagaram pelo material roubado também serm punidos", disse Oswaldo Eustáquio.

A reportagem tentou entrar em contato com Glenn Greenwald, mas não conseguiu localizar o integrante do Intercept até o final desta reportagem.

Após o anúncio por Mônica Bérgamo, muitos advogados se colocaram a  disposição de Eustáquio para fazer sua defesa contra Greenwald. O processo foi ajuizado no Juizado Especial e sequer foi anexado laudos válidos sobre o estado de saúde da mãe do americano. Entre os advogados que querem fazer a defesa do jornalista de Curitiba está Maurício Victor Leone, especialista em Direito Eleitoral e um dos advogados mais respeitados do Paraná.