Política

Busca e apreensão da Operação Taxa Alta foi baseada em depoimento falso

O juízo da 12 vara criminal de Curitiba deferiu um mandado de busca e apreensão contra diretores de uma empresa em Brasília, uma das credenciadas no Detran-PR para registro de financiamento de veículos.

O mandado foi cumprido na manhã de hoje pelo braço policial do MP, o Gaeco. No entanto, a operação foi baseada em um depoimento falso do diretor financeiro do Detran-PR, Coronel Carneiro, que disse em depoimento ao Ministério Público que os sócios da empresa estiveram com ele em reunião e a conversa não teria sido republicana.

O núcleo de jornalismo investigativo apurou que a reunião de fato existiu, mas o conteúdo da conversa relatado ao MP pelo atual diretor do Detran é falso. Isso porque na reunião havia um terceiro elemento, um funcionário do governo do estado do Paraná, ligado à Secretaria de Ney Leprevost, fato que foi omitido pelo Coronel Carneiro em depoimento, mas é o elo para desfazer uma fraude processual em que o diretor do Detran-PR induziu o juízo ao erro.

A reportagem também descobriu que o motivo do diretor do Detran ter omitido essa informação em juízo seria para beneficiar a empresa Tecnobank, que não podia atuar no mercado do Paraná por fraudes comprovados no Brasil inteiro, sobre tudo pelo Ministério Público de São Paulo que investiga a empresa por monopólio e conluio com a B3, quinta maior bolsa de valores do mundo.

Com isso, o Detran-PR, por meio da sua direção, tem se utilizado da maquina estatal de dois poderes para beneficiar a empresa Tecnobank, que hoje detém a maior parte do mercado do estado de um esquema milionário envolvendo entes públicos que estão favorecendo esta empresa.